26.4.12

Morre aos 95 anos o poeta Daniel Lima. Autor de “Poemas”, obra única, vencedora do prêmio Al­phonso Guimarães, pela Fundação Biblioteca Nacional em 2011

Morre, aos 95 anos, Padre Daniel Lima

17/04/2012 02:00 - HUGO VIANA

Faleceu na madrugada do sábado (14-04-2012) para o domingo o escritor pernambucano Daniel Lima, aos 95 anos. Segundo amigos próximos, como a professora e escritora Luzilá Gonçalves Ferreira, o padre estava quase sempre doente, recuperando-se de pneumonia. “Ele passou um tempo fraquinho, melhorou e pensamos que ele iria sair dessa, mas piorou novamente. Ele morreu suavemente”, descreve.
Luzilá foi a responsável por tor­nar público o trabalho do escri­tor. “Ele foi meu professor duran­te muito tempo. Ele era mui­to ciumento, não queria pu­blicar seus escritos. Então eu consegui roubar seus textos. Pedi emprestado e não devolvi. Mostrei a ele apenas quando o livro estava quase pronto”, explica a professora, sobre o surgimento da obra “Poemas” (Cepe, 416 pá­ginas, R$ 45), que venceu, no ano passado, o prêmio nacional poesia Al­phonso Guimarães, pela Fundação Biblioteca Nacional.
“A obra dele é muito importante”, ressalta Luzilá. “Sua poesia é muito profunda e séria, e ao mesmo tempo consegue ser divertida e leve. É uma pe­na que ele não foi mais publica­do em vida”, comenta a escri­tora, que revela que a Cepe tem planos para editar agora um livro de sonetos de Daniel. “Se­ria no aniversário dele, que é no dia 2 de maio. Neste momento estou escrevendo a apresentação. O soneto é uma forma fixa, formal, muito rígida. Mas quando você lê o soneto de Daniel nem se dá conta disso: é muito fluido, escorre”, reflete Luzilá.
Daniel Lima deixou ainda, se­gundo a professora, 14 livros inéditos de filosofia e teologia, além de outros nove de poesia. A Cepe deve publicar es­ses poe­mas, enquanto o depar­ta­mento de comunicação da UFPE planeja manter um acervo digital da obra de Daniel. “Ele di­zia que a vida é uma divertida travessia. Ele era muito mole­que, sempre dizia uma palavra engraçada”, diz Luzilá.

Fonte - Folha de Pernambuco