24.3.11

Para uma tia como uma mãe.

DSCN0480

 

A boa tia se despediu

levando amores

deixando amores.

Nada mais precioso:

sua bagagem - seu legado

Encerrou uma geração

foi contemporânea de três.

Não me perguntem

pelo apreço que lhe tinha

ou pelos fotogramas

impressos desde a infância

nas minhas memórias.

Guardo-os como paisagens sutis,

barulhinhos, sons, odores, afetos

plenos de boas fantasias,

lembranças não desgastadas.

Era a guardiã entusiasta

dos namoros adolescentes

em São José da Coroa Grande

ou na Av. Rosa e Silva.

Não olhava para a vida

pela cor dos seus anos

nem pelas suas contingências.

Nunca a vi escandalizada com o novo.

Permaneceu romântica,

sem desdenhar

a alegria e o prazer

de ser mulher.

Nem mesmo

esqueceu até o fim

que na vida, o mais importante

é amar e de volta ser amado.

Tia Lígia

na sua simplicidade e inteligência

soube transpor as vicissitudes

que o tempo tece;

conseguiu transcender

e permanecer atemporal

em nós.

João Pessoa quarta-feira, 2 de março de 2011

Waldir Pedrosa Amorim

14.3.11

PURGATÓRIO – NÃO É O QUE VOCÊ PENSA


O triunfo da morte - Pieter Bruegel, o Velho 1562

                                                                                              Heitor Rosa
Introdução

Em artigo anterior fizemos uma análise sobre a situação atual do Limbo, organização desfeita recentemente, que era  até então um anexo do paraíso.
Neste trabalho temos por propósito verificar as condições de outro anexo celeste, o Purgatório.
Enquanto que o Limbo podia ser considerado um puxadinho do céu, a pequena distância de cinqüenta anos luz, o Purgatório tem uma estrutura maior e,claro, mais complexa. Não pode ser considerado um puxadinho.
Dionysius, o Areopagita ( não confundir com aeropagita, que é o piloto da presidente), sugeriu que o Purgatório fosse colocado no corredor ou ponte  que comunica o espaço celestial com o infernal. Baseado em suas idéias neo-platônicas, Niemeyer projetou os dois prédios comunicantes em Brasilia ( veja detalhes em nosso livro “O céu dos vagabundos”), mas isto é outra história.
Purgatório é assim chamado  por se tratar de um poderoso laxante celeste,que deve ser ingerido quase ad eternum, até que todos os pecados sejam purgados com as fezes.
As almas dos políticos que conseguem chegar ao Purgatório ( a maioria vai para o anexo do inferno), têm  pouca chance de lá sair, pois os processos de julgamento têm a mesma rapidez da Justiça e Congresso terrestres. Assim, durante os primeiros dias da eternidade (que pode durar uma eternidade), tomam diariamente meio litro de óleo de rícino; a seguir vem a fase da  poção de ruibarbo, seguida de leite de magnésia (geralmente dois litros/dia),um quilo de Pílulas de Vida, e assim, eternamente, variando os purgatórios ( o termo purgativo  nasceu bem depois e se refere às limpezas intestinais terrestres). Os remédios são os mesmos usados na Terra, porém com efeito eterno.

Casuística e Método
Para efeito didático e melhor compreensão, estudamos apenas uma amostra da população purgatícia, estratificada em políticos –sub população ou sub-set - de países terrestres. A amostra foi pareada por países e não mostrou diferença estatisticamente significante (tudo farinha do mesmo saco, no dizer do coletor e estatístico Mateus; p=0,9).
Usamos a metodologia proposta por Dante e  a população incluída no estudo encontrava-se na Esfera do Ar (65%) ou ante-purgatório dos arrependidos tardios; na Esfera do Fogo 25% estavam no terraço IV, dos Preguiçosos e 10% no terraço V, dos avaros.
Resultados
Como resultado, observamos que a população do andar inferior, da Esfera do Ar, queixava-se do indescritível e asfixiante odor pútrido que emanava dos efeitos dos purgatórios disseminados evidentemente no ar.
 Na população de cima, da Esfera de Fogo, além do miasma evacuatório, cada alma tinha o traseiro queimado, pois suas fezes eram eliminadas sob a forma de chamas.
Deste último grupo podia-se ouvir:

                        Ó grande Virgilio,  de Dante e Beatriz amado
                        Vê a desdita que choramos
                        Devido ao fogo em nosso rabo

Um foquete meu rabo parece, não sei
Mas  com  Hades estão
Todos que me julgam Sarney
Conclusão
Cogita-se a extinção do Purgatório, com anistia para todas as almas. Pedro, o Velho, negou  três vezes sua concordância com o projeto, e seu aliado, Pedro,o Simon, esbravejou afirmando que a Esfera de Fogo não é para assar pizzas. Aguardamos novos elementos para conclusão .



ACABARAM COM O LIMBO

Eugène Ferdinand Victor Delacroix - Dante e Virgílio atravessando o Rio Estige
Heitor Rosa
A proteção à criança sempre foi objeto de preocupação e cuidados pelas autoridades políticas e religiosas desde o governo neanderthalês..
Em primeiro lugar procurou-se proteger as almas das criancinhas mortas sem o batismo ou sem aprenderem o catecismo. Idealizou-se então um lugar próximo ao céu, mais ou menos a cinqüenta mil anos luz, para evitar que o barulho e choro dos pestinhas incomodassem a Pedro, o Velho.
A partir do século V a.D foi criado esse espaço e denominado de limbo, e apesar da distância, foi considerado um anexo do céu. A planta desse espaço foi feita em Hipona, por um engenheiro doutor e aceita numa reunião episcopal. Uma vez resolvida sua existência, foi o puxadinho celestial empurrado goela acima, daqui de baixo, para desorientação do secretariado angelical.
Alguns teólogos acreditam que os puxadinhos do Congresso e Ministérios de Brasilia foram inspirados por Dom Bosco, baseado na teoria hiponastérica. Mas isso é outra história (veja nosso livro “As catacumbas de Sarney”).
Com a criação do limbo ( seu estudo chama-se limbística), todas as crianças que vadiavam pelo éter, passaram a ser recolhidas pela instituição, antes que aprendessem a cheirá-lo. Toda criança morta ou defunta sem ter sido batizada, ficava daquela hora em diante, obrigada a ser direcionada para o local, proibidas de crescer durante dois mil anos, à espera de sua libertação e transformação em alma adulta.
Os inocentes natimortos ou mortos naquelas condições pagãs e antes do Decreto Limbal ( do século 0 ao V), foram considerados limbeiros do segundo escalão que continuariam vagando sem direito aos puxadinhos. Houve sugestão de um deputado, digo, de um teólogo, de que esses antecessores infantis fossem transformados em aves do paraíso. Diante da possibilidade de haver,dessa forma, um galinheiro celestial, a hipótese foi rejeitada por 302 a 54.
Só muitos e muitos séculos depois é que foram cuidar das criancinhas vivas, em anexos chamados de creches, o que também é outra história (veja em nosso outro livro “As crianças de Berlusconi”).
Dezesseis séculos mais tarde, isto é, no século XXI, foi vencedor o movimento para acabar com o limbo sob a alegação de administração fraudulenta, negociando os límbicos para espíritos pedófilos. Vários anjos-de-guarda foram demitidos por aceitarem propinas, como por exemplo, viagens a universos a um bilhão de anos-luz ,em verdadeiros paraísos sem fiscal, provavelmente de propriedade de um tal Alexande VI.
Para não deixar os pequeninos anjos desprotegidos e sem limbo,a mercê da legião pedófila, emitiu-se uma OC (Ordem Celeste) promovendo toda a população límbica a querubins, e nesta condição, seriam transferidos para a matriz.
Pedro, o Velho, ficou indignado, e foi à tribuna contestar a invasão do seu espaço por uma infinitude de anjinhos gordinhos, barulhentos, que se comportariam como bandos de periquitos terrestres. Melhor seria promovê-los a anjos adultos, sem asas, para distingui-los da divisão celestial. Caso contrário mudaria de partido.
Paulo, o Retardatário, disse que dessa vez não iria cair do cavalo. Pediu uma CPI para saber de onde partiu a ordem para acabar com o limbo; se era do PT (Partido da Terra) ou do PC ( Partido do Céu). Só votaria a favor se fosse do PC e além disso queria o mesmo tratamento para os limbeiros do segundo escalão.
Segundo Gabriel, secretário geral, a rixa entre Pedro,o Velho e Paulo, o Retardatário era antiga e só uma mulher forte e gorda poderia resolver.
O imbroglio está no STC (Supremo Tribunal Celestial), mas que ainda não pode se reunir porque está faltando um membro. Foi expedida uma ordem de morte súbita para um ministro terrestre, para completar o quadro. Esperemos.

9.3.11

A janela de Júlia



 
Janelas abertas
Recife noturno é paisagem
Julia é mirante
é arranha céu. 

Quarto de dormir,
oficina,
Júlia é artesã,
Recife é miragem 

Agora, Recife é fotografia
É poema viajor - é confecção
através de janelas,
lentes e retinas de Júlia.
 
 
  Fotografia: Júlia Didier Amorim
 
  Poema: Waldir Pedrosa Amorim
  14 de fevereiro de 2011