13.10.06

Poemas de Waldir Pedrosa Amorim

POEMA DE ONTEM

Estou triste.
Hoje o ódio do pivete
andrajoso
que encontrei na rua,
junto com o cinismo do político
enfatiotado
que encontrei no jornal,
inscreveram um anti-poema
no meu dia.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele



HOMEM

Mau o homem
quando primitivo
– por feição -
quando civilizado
- por cinismo –

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

PARTICULARIDADE

De sede
ou de afogamento...
morrem os loucos,
os por demais conectados:
escassa água,
ou um oceano.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

DECANTAÇÃO

Decantado,
meu corpo é quarto de arrepios
e se abastece de tédios.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

LUA

Baços olhos ardem.
No efêmero e molhado chão,
há imensidão no espelho: uma lua,
despencando clarão.

Volátil é a vida
volúveis os olhos
Na alma,
volúpia desmedida.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

O POEMA

Não custa repeti-lo
até
desaprendê-lo,
senti-lo.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

RUMINAÇÃO

Mastigo,
as presas que vêm de mim
as certezas
que de mim virão
as proezas
que de mim
se afastarão
e as migalhas
que nunca
ficarão.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

APENAS

Meu corpo,
acostumado a viver,
ousa solicitar
licença
ao jazer.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

DEPRIMIDA

Minha alma, artesã de tristezas
e melancolias
confecciona sazonalmente
o cenário debilitado
onde amargo
a consciência do tempo
em meus lençóis.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

O TEMPO


É lógico
ilógica a eternidade

e nós,
loucos mansos.

Não nos adianta blasfemar
contra a simetria cósmica.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

CONGRUÊNCIA


Os princípios
norteiam
os objetivos

Os objetivos,

como noite e dia
ladeiam
os princípios.

Os princípios,

cíclicos,
se apascentam
de principiarem.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

ACABRUNHADO

Acabrunhado,
desalentava-se na noite
entristecia-se nas alvoradas.
Não era tristeza-tristeza.
Era moléstia medonha,
maior que o propósito, que o impulso.

Não era mudança do querer.
Era desquerer pesado e forte.
Era obliteração do viver.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

DESPENCADO


Pálido,
esquálido,
depauperado.
Dentro de si
ruíam os sóis e as estrelas,
o dia e a noite,
os ventos e as tempestades.
Definhava a volição,
esturricava a alma.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

SINAIS

Não eram manchas,
nem tatuagens eram.
Eram mapas de dor
gravados n’alma.

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele

INDELÉVEIS

As tatuagens,
não eram cicatrizes.
Eram gravuras,
eram caleidoscópios.

As cicatrizes,
tatuagens não eram.
Eram marcas, ícones,
vestígios de dor

Waldir Pedrosa Amorim in: O Avesso da Pele